terça-feira , janeiro 23 2018
Home / Notícias CRFMT / Notícias / Anvisa proíbe suplementos e medicamentos irregulares

Anvisa proíbe suplementos e medicamentos irregulares

A Anvisa proibiu, nessa segunda-feira (17/7), todos os lotes do Suplemento da Marca Cactinea, de Vitamina C à base de Acerola com Extrato de Cactaceae Hyloceres Undats, da empresa Nutreo Comércio Produtos Homeopáticos Eireli. O produto não tem avaliação de segurança para uso em alimentos e também não tem o registro como novo medicamento, que é exigido pela Agência.

Foram proibidas também quaisquer propagandas nas mídias eletrônicas. A empresa fabricante deve recolher todo o estoque disponível no mercado.

Sulfato de Magnésio

A Agência determinou ainda, a interdição do medicamento específico Sulfato de Magnésio 100 mg/ml solução injetável, ampola 10 ml, lote MFA de 08/2018, fabricado pela empresa Samtec Biotecnologia Ltda. A Agência recebeu um Laudo de Análise Fiscal do Laboratório Central de Saúde Pública do Paraná (Lacen/PR), que apresentou resultados insatisfatórios nos ensaios de aspecto para o produto em questão.

O ensaio de aspecto avalia o medicamento e a embalagem para saber se as características visuais e a aparência do produto estão de acordo com o padrão de qualidade.

Medicamentos específicos são produtos farmacêuticos com finalidade profilática, curativa ou paliativa não enquadrados nas categorias de medicamento novo, genérico, similar, biológico, fitoterápico ou notificado e cuja (s) substância (s) ativa (s), independente da natureza ou origem, não é passível de ensaio de bioequivalência, em relação a um produto comparador.

Saiba mais sobre os diferentes tipos de medicamentos.

Sobre Luiz Antônio Perlato

Luiz Antônio Perlato
Luiz Antônio Perlato (jornalista) CRF/MT - Conselho Regional de Farmácia do Estado do Mato Grosso R. 06, Quadra 11, Lote 07 - Cuiabá/MT (65) 3619-5200 / Fax (65) 3619-5202.

Além disso, verifique

Ampliada validade de registro de produtos para saúde

A Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou, nesta terça-feira (16/1), uma norma que amplia o prazo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *